“Crowded solitudes”, de Eric Revis Trio

capa eric revis trio crowded solitudes

A experiência futurista, a premência vanguardista, o imperativo exploratório do desconhecido são, no jazz, matérias primevas, combustíveis seminais. Mais do que um indisfarçável enlevo por alguns dos mais inauditos recantos dos anais jazzísticos, há na música de Eric Revis um indisfarçável enlevo por alguns dos mais inauditos recantos dos anais da Continue reading

Advertisements

“Perpetual gateways”, de Ed Motta

capa ed motta perpetual gateways

Jazz é narrativa e epifania ontológica. A sua gesta é feita de idílios, especulações e contaminações entre o intangível da música popular e da erudição, entre o singular drama cósmico de uma canção e a plural poesia especulativa da metafísica instrumental – mais todo o Continue reading

“Blue as an orange”, de Pierre Bastien

capa pierre bastien blue as an orange

Prodigioso dom, este de ser concomitantemente agreste e idílico, desassossegado e enlevado, labiríntico e naïf, abstrato e minudente, opimo e espartano, hodierno e melancólico, inusitado e lúdico, mecânico e humanista. Induzido pelo Continue reading

“Poesia”, de Joyce Moreno e Kenny Werner

capa joyce moreno kenny werner poesia

Versando sobre o então vindouro “Slow music” (o seu mesurado disco de 2009 que viria a ser o último com assinatura limitada ao seu nome próprio), Joyce Moreno legou ao seu letrado blogue, Outras Bossas, em maio desse ano, a Continue reading

“(Dance to) The early music”, de Nate Wooley Quintet

capa nate wooley quintet dance to the early music

A música primeva de cada melómano implica invariavelmente umas quantas circunstâncias atenuantes. Há cerca de três décadas, numa ignota cidade do oeste americano, um adolescente permitiu-se emburricar pelo bem intencionado esforço composicional de Wynton Marsalis; em 2015, um esteta crucial do mapa contemporâneo do jazz de ousadia e evolução assumiu esse Continue reading

“Christ everlasting”, de Charles Gayle Trio

capa charles gayle trio christ everlasting

Tal como essoutro todo-poderoso-saxofonista Charles (Lloyd), este todo-poderoso-saxofonista Charles (Gayle) é um homem de fé, esperança e caridade, devotando os rituais de consagração professados pela sua música ao desígnio da revelação eclesiástica como via para a Continue reading

“Ninth Square”, de Evan Parker, Joe Morris e Nate Wooley

capa evan parker joe morris nate wooley ninth square

As cordas da guitarra de Joe Morris são o solo fértil por onde a música deste singular encontro de mestres se vai erguendo e escorando, o sustento telúrico desta humilde odisseia sónica de contornos metafísicos. Mas é entre os saxofones de Evan Parker e a trompete de Nate Wooley que a epifania categórica se revela, é nessa fricção que Continue reading