Monthly Archives: January 2013

“Lincoln”, de Steven Spielberg

steven spielberg lincoln

Na composição de Abraham Lincoln por Daniel Day-Lewis, há uma incrível semelhança do ator com o rosto e a pose do retratado. Uma herança iconográfica muito precisa ajuda a explicar tal rigor: em termos históricos, ele foi o primeiro Presidente dos Estados Unidos da América (em boa verdade, um dos primeiros líderes políticos de todo o planeta) a possuir um Continue reading

Advertisements

“Panagia”, de Stephan Micus

capa stephan micus panagia

Ao fim de 20 álbuns na ECM (editora com a qual se confunde, embora raramente surja referido enquanto um dos seus paradigmáticos constituintes), Micus permanece um gestor de perplexidades, capaz de investir solenidade nos materiais mais prosaicos e alimentar uma Continue reading

“Cosmopolis”, de David Cronenberg

capa david cronenberg cosmopolis

Em boa verdade, talvez se possa reconhecer sem drama que o romance “Cosmopolis”, de Don DeLillo, era “impossível” de transpor para cinema. Justamente, estamos a falar de um cineasta que conhece o poder das imagens e dos sons: Cronenberg opta por Continue reading

“Antologia poética”, de Mário de Sá-Carneiro e Tiago Manuel

capa mario de sa carneiro antologia poetica

Depois dos volumes dedicados a Cesário Verde, Bocage, Florbela Espanca e Fernando Pessoa, a “Antologia poética” de Mário de Sá-Carneiro permite um contacto sedutor com 13 poemas cuidadosamente selecionados e um trabalho de ilustração marcado pelos Continue reading

“Django libertado”, de Quentin Tarantino

quentin tarantino django unchained

Será que, depois da revisão crítica do western encetada na década de 60 (Sam Peckinpah, Abraham Polonsky, etc.), já existe um pós-western? A pergunta adquire nova pertinência face ao filme de Tarantino, por certo uma das mais paradoxais e Continue reading

“Abraçaço”, de Caetano Veloso

capa caetano veloso abracaco

Mesmo que este derradeiro constituinte da trilogia de álbuns de estúdio gravada por Caetano Veloso com a banda Cê não se desvie dramaticamente dos anteriores, será impossível ignorar-lhe faculdades retroativas. E, de facto, basta observar-lhe um aspeto eminentemente procedimental – o vaporoso Continue reading

“Lawrence da Arábia”, de David Lean

capa david lean lawrence da arabia

Há uma irónica sensação de absurdo no reencontro com tão admirável obra prima em dvd… De facto, podemos ter (como temos) uma transcrição admirável e alguns extras que nos ajudam a contextualizar a excelência do trabalho de David Lean (1908-1991) através desse labirinto humano que foi T. E. Lawrence (1888-1935). Mais do que isso: graças aos singularíssimos poderes do Continue reading