Monthly Archives: February 2012

Katinka Bock e Michael E. Smith na Culturgest, Lisboa

De 25 de fevereiro a 13 de maio, as Galerias 1 e 2 da Culturgest, Lisboa, recebem mostras de dois artistas plásticos contemporâneos que se aproximam conceptualmente pelo recolhimento introspetivo que convocam e pelo modo como perturbam o espaço em que os seus materiais, ora manipulados, ora violados, se expõem. Michael E. Smith desfigura objetos do quotidiano, achados urbanos, e explora de forma extremada o caráter irreparável da ruína e do abandono dos corpos. Cresceu e viveu em Detroit, uma cidade degradada, assolada pela pobreza e pela falência dos grandes grupos da indústria, o que se reflete nas suas peças e esculturas, de tonalidades monocromáticas, violentamente saturadas, massacradas pela catástrofe e agora perdidas no imenso espaço da galeria. Numa linha programática não muito distante, e cujas afinidades o curador Miguel Wandschneider averigua ao propor uma exposição paralela, a alemã Katinka Bock procura, em “Personne”, combinar espaço, matéria e pensamento de modo condensado e subtil. Trabalha com Continue reading

Advertisements

“Cavalo de guerra”, de Steven Spielberg

Com este drama épico sobre um heroico cavalo e a sua história de resiliência em tempos de adversidade, Steven Spielberg recupera o toque áureo e humanista do clássico filme de guerra de Hollywood. Descreve-se aqui, em portentosos quadros visuais, a comovente relação entre um equídeo de caráter forte e belo e Albert Narracott, o seu jovem proprietário e amigo, filho de agricultores da Inglaterra rural. Com a eclosão da I Guerra Mundial, em 1914, Albert (Jeremy Irvine) e o seu cavalo Joey são Continue reading

“Live in London”, de Randy Newman

Em junho de 2008, Randy Newman deu um recital intimista numa igreja anglicana do século XVIII. Acompanhado pela BBC Concert Orchestra, conduzida por Robert Ziegler, a sessão foi gravada e pode agora ser vista e ouvida na íntegra, nesta edição dupla de cd e dvd. Newman revisita temas incontornáveis da sua discografia, compostos para álbuns que cronologicamente se estendem da sua estreia no mítico “Randy Newman”, de 1968, ao igualmente paradigmático “Harps and angels”, que viria a ser editado meia dúzia de semanas depois do concerto. Como genial autor e contador de histórias que é, Randy Newman percorre transversalmente as Continue reading

“Autobiografia de Nicolae Ceausescu”, de Andrei Ujica

Andrei Ujica trabalhou em mais de 260 horas de filme do arquivo oficial romeno para produzir aquilo que vemos na marcante obra documental e cinematográfica que é “Autobiografia de Nicolae Ceausescu”. O líder que foi o rosto do partido comunista da Roménia durante mais de 20 anos (desde 1967 até à data da sua execução, no dia 25 de dezembro de 1989), e que fez deste país uma república independente do domínio da União Soviética, tinha com a imagem uma relação quase fetichista, tal como a maior parte dos ditadores. O espólio fílmico do seu regime é imenso, e Andrei Ujica alinhava, num impressionante trabalho de “corte e costura”, sem recorrer a quaisquer informações para além das que estão registadas nestas imagens, os frames que fizeram a história de megalomania de um homem que adorava ser Continue reading

Beatriz Milhazes e Rosângela Rennó na Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa

Nesta precoce primavera, o Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian recebe exposições de dois dos nomes mais relevantes do cenário das artes plásticas brasileiras das últimas décadas. “Quatro estações” e “Strange fruits” é a proposta combinada de Beatriz Milhazes e Rosângela Rennó, naturais do Rio de Janeiro e de Belo Horizonte, respetivamente. Artista que se diz apologista de uma “liberdade ordenada”, Milhazes apresenta uma série de quatro volumosos quadros, “representando” as quatro estações do ano. “Love” é a palavra comum aos títulos das obras, cujas dimensões são proporcionais à Continue reading

“A invenção de Hugo”, de Martin Scorsese

A primeira incursão do realizador Martin Scorsese no universo das potencialidades 3d acontece neste recente “Hugo”, longa metragem baseada no livro infantojuvenil “A invenção de Hugo Cabret” (2007), de Brian Selznick. Com guião de John Logan e a presença de atores cumpridores – como os jovens Asa Butterfield e Chloë Grace Moretz, o cómico Sasha Baron Cohen, os experientes Jude Law e Christopher Lee, e ainda o magnífico Ben Kingsley -, este é um filme sobre filmes, um filme sobre sonhos e um tributo às origens do cinema. A história da sétima arte e, em particular, a história de um dos seus mais ilustres e mágicos fundadores, Georges Méliès, é aqui recontada em narrativa bem condensada e didática: como protagonista, um orfão dickensiano, que se movimenta em cenários que recordam Tim Burton e Steven Spielberg. Sublinhe-se a viciante presença de Continue reading

“Histoire de Melody Nelson”, de Serge Gainsbourg

Um galã num Rolls Royce e “une adorable garçonne et si délicieuse enfant” numa bicicleta. Ele com 40 anos, ela com 15. “Histoire de Melody Nelson”, de 1971, é a sublime e polémica obra nabokoviana de Serge Gainsbourg sobre a obsessão erótica de um homem de meia idade por uma menina de cabelo vermelho. Um conto de sedução e Continue reading