“Martha Marcy May Marlene”, de Sean Durkin

Que ânimo nos dá começar um ano de estreias cinematográficas com uma surpresa deste calibre… “Martha Marcy May Marlene” é um drama psicológico de raro fulgor artístico e dramático, que encontra a sua protagonista no momento da fuga à tirania social e sexual de uma seita que representou a única realidade da sua vida no par de anos anterior (onde assumia o papel de Marcy May e, pontualmente, de Marlene) e o duro choque emocional enfatizado pelo regresso ao seu núcleo familiar (onde é e sempre foi Martha). Tentando gerir os diferentes níveis de desconforto dos dois cenários, Martha vagueia penosamente entre memórias e traumas, entre pesadelos e a desamparada recuperação moral e afetiva que tenta empreender. Um thriller que assinala estreias ao mais alto nível da protagonista – uma Elizabeth Olsen em inefável contenção física e anímica – e do realizador – Sean Durkin, capaz de evocar com exemplar sensibilidade lições autorais de mestres como Alfred Hitchcock, Ingmar Bergman, Andrei Tarkovsky, Michael Haneke ou Aleksandr Sokurov. A espantosa destreza narrativa, em enorme medida jogada no inteligente conceito da montagem, e o amor devotado ao trabalho fotográfico, de uma profundidade formal ímpar, sustentam a restante parcela do milagre.

5 janeiro [estreia nacional]
filme “Martha Marcy May Marlene” [“Martha Marcy May Marlene”], de Sean Durkin, com Elizabeth Olsen, Sarah Paulson,…
Big Picture, 2011

 

João Eduardo Ferreira:
Por “Martha Marcy May Marlene”, de Sean Durkin, vão passando: a luz e as casas vazias de Edward Hopper; a sensibilidade cutânea de Scarlett Johansson; o desfazer da máscara de Ingmar Bergman e Henrik Ibsen. Toda a opinião sobre um bom filme deve ser exagerada.

João Lopes:
Será que existe uma fronteira nítida entre o realismo e tudo aquilo que já não tem nome real? Este é um filme sobre tal assombramento, construído a partir da experiência singular e perturbante da Martha do título, envolvida com uma seita alicerçada num cruel poder (masculino). Sean Durkin, estreante na longa metragem, demonstra que faz sentido continuar a dizer que existe um olhar específico da produção independente made in U.S.A.: é aquele em que o real vacila e, com ele, todos os seus nomes. texto no Sound + Vision

 

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s