“Hiroshima, meu amor”, de Alain Resnais, e “Casablanca”, de Michael Curtiz

alain resnais hiroshima mon amour

Que fatores podem ligar o mais mitológico melodrama de guerra produzido por Hollywood, em 1942, e um dos títulos que, em 1959, serviram de bandeira à eclosão da nova vaga francesa? Apetece fazer alguma ironia (ma non troppo…) e dizer que, num tempo em que persiste o novo-riquismo imposto pela televisão “a cores”, estes são ambos filmes fotografados em esplendorosas imagens a preto e branco. Mas há mais: afinal de contas, não podemos deixar de reconhecer que muitos espetadores das gerações mais jovens nunca puderam aceder a tais objetos no seu lugar primordial, quer dizer, o ecrã de uma sala escura. Daí a importância cultural e comercial – numa palavra, simbólica – destas duas reposições, por simpática coincidência ocorridas no mesmo dia. “Casablanca” devolve-nos a sofisticação narrativa de um cinema de estúdio, ou melhor, emanado do studio system, que estava em ativa mobilização ideológica para apoiar a reação das tropas aliadas contra os exércitos de Hitler; “Hiroshima, meu amor” percorre o labirinto das memórias da II Guerra Mundial a partir das marcas indizíveis da bomba atómica, afirmando um cinema genuinamente experimental, em particular no entendimento da palavra como elemento narrativo.

michael curtiz casablanca

Numa altura em que é escasso, para não dizer nulo, o trabalho das televisões generalistas na redescoberta dos grandes títulos clássicos, é bom poder reencontrar estes dois filmes em cópias restauradas, depois de, em menos de um ano, termos tido a possibilidade de rever também “Taxi driver” (1976), de Martin Scorsese, “Lawrence da Arábia” (1962), de David Lean, ou “Até à eternidade” (1953), de Fred Zinnemann. Verificamos, assim, que o mercado das salas, mesmo numa escala discreta, se assume como elemento ativo na revisitação do passado cinematográfico. Nem tudo está perdido para a cinefilia.

João Lopes

19 dezembro [estreia nacional]
filme “Hiroshima, meu amor” [“Hiroshima mon amour”], de Alain Resnais, com Emmanuelle Riva, Eiji Okada,…
Leopardo Filmes, 1959 / 2013

19 dezembro [estreia nacional]
filme “Casablanca” [“Casablanca”], de Michael Curtiz, com Humphrey Bogart, Ingrid Bergman,…
Columbia TriStar Warner, 1942 / 2013

 

texto no Sound + Vision [ 1 ]

texto no Sound + Vision [ 2 ]

 

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s