Tag Archives: Tim Daisy

“An international report” e “The Midwest school”, de Audio One

capa audio one an international report

Habitar o mapa de pesquisa empírica traçado pela cartografia identitária do labor de Ken Vandermark – o mais rigoroso, exigente e visionário topógrafo do porvir jazzístico do século XXI – é, amiúde, um premente viés sonoro para celebrar e reclamar o nosso destino humanista e, mais ainda, existencialista. Cada nota excogitada pelos seus saxofones ou clarinetes discute a Continue reading

Advertisements

“Cherchez la femme”, de Made To Break

capa made to break cherchez la femme

Estamos no campo da inquirição e da expansão das possibilidades ontológicas e formais da música enquanto suprema arte abstrata, ou seja, epistemológica súmula de história, sociologia, filosofia, política, economia, ciência, ética, comunicação, espiritualidade e humanismo encenados enquanto matéria sonora criativa. Visionária metodologia composicional – que Ken Vandermark, seu mentor, apelida de Continue reading

“Head above water, feet out of the fire“, de The Resonance Ensemble

capa ken vandermark the resonance ensemble head above water

Situado numa inexorável posição de vanguarda e busca pela excelência das formas, o trabalho do compositor de jazz americano Ken Vandermark interpela-se aqui numa busca marcadamente erudita pelo improviso das estruturas musicais, depois de inúmeros projetos mais telúricos desenvolvidos no último par de anos, como os grupos Made To Break, DKV ou Platform 1. O The Resonance Ensemble, nascido de uma troca de ideias com Marek Winiarski – guitarrista, membro dos polacos Bajm e proprietário da crescentemente relevante editora Not Two – é um compêndio de vozes instrumentais que acrescenta dinâmica e vigor ao Continue reading

“Provoke”, de Made To Break

capa made to break provoke

Curiosamente, “Made to break” é o título de um tratado sobre obsolescência editado há meia dúzia de anos por Giles Slade – que, entretanto, em “Big disconnect”, avançou para a igualmente acutilante temática da tecnologia e solidão, preparando-se para, até ao fim do ano, lançar um caucionário ensaio inspirado pelo iminente êxodo calculado em virtude das consequências do aquecimento global. Mais do que por facilitismo titular, a premência da evocação da obra de Slade no contexto da ação desta nova banda liderada por Ken Vandermark (com Tim Daisy à bateria, David Hoff em baixo elétrico e Christof Kurzmann no software lloopp) advém de, em ambos os casos, se refletir acerca de processos e arquiteturas de controlo – a que não será indiferente a Continue reading