“O grande Gatsby”, de Baz Luhrmann

capa baz luhrmann o grande gatsby

Se olharmos para os ecrãs do quotidiano, somos forçados a reconhecer que não vivemos tempos de muita paixão pela literatura. A cultura televisiva dominante empenha-se em destruir o gosto da escrita e, convenhamos, possui um poderoso instrumento bélico chamado telenovela… Não admira, por isso, que a adaptação do romance de F. Scott Fitzgerald, “O grande Gatsby”, por Baz Luhrmann, tenha nascido assombrada por dois fantasmas. O primeiro decorre, precisamente, de um militante menosprezo pela sedução da palavra literária — para quê, em pleno século XXI, adaptar aquilo que Fitzgerald escreveu em 1925? O segundo envolve um preconceito contra o próprio Luhrmann, autor do brilhante “Romeu + Julieta” (1996): como refazer o livro através de um tão assumido delírio espetacular? Digamos que vale a pena ver ou rever “O grande Gatsby” em dvd, quanto mais não seja para observar como a ousadia de Luhrmann o coloca numa zona singular do cinema contemporâneo, algures no cruzamento do classicismo épico com as mais sofisticadas proezas daquilo que, à falta de melhor, e correndo o risco de atrair alguns equívocos, poderemos chamar uma estética dos telediscos (nesse aspeto, a meu ver, superando os impasses que, em 2001, marcaram o seu “Moulin Rouge!”). Reparemos, em particular, na fascinante ambivalência existencial do Gatsby interpretado por Leonardo DiCaprio: mais, muito mais, do que o protagonista de uma “reconstituição” da alegria trágica dos “roaring twenties”, ele emerge como símbolo do drama humano que nasce da nitidez da utopia e da sua cruel condição de imaginação sempre em fuga. Nada que não esteja em Fitzgerald, dir-se-á. Claro. Mas a questão não é essa — o que está em jogo é a capacidade de revisitar um livro tão genial, ecoando as suas linhas de força sem qualquer subserviência ao mais rasteiro academismo tele-cinematográfico. Nos dias de hoje, fazer isso com tão assumida pompa e calorosa circunstância envolve um corajoso programa estético.

João Lopes

dvd “O grande Gatsby”, de Baz Luhrmann, com Leonardo DiCaprio, Tobey Maguire, Carey Mulligan,…
Zon, 2013

 

texto no Sound + Vision [ 1 ]

texto no Sound + Vision [ 2 ]

 

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s