“Os emigrantes”, de W. G. Sebald

capa w g sebald os emigrantes

A persistência da memória, a sua exploração obsessiva, potencialmente infinita, definem o núcleo da escrita de W. G. Sebald (1944 / 2001). Os quatro retratos de “Os emigrantes” elevam o seu método à máxima potência — através das respetivas atribulações, vai emergindo a imagem ferida de uma Europa para sempre assombrada pela memória da II Guerra Mundial e, em particular, pelo Holocausto e a errância dos judeus através do mundo. Susan Sontag di-lo, de forma fria e concisa, na frase que vem citada na capa da edição portuguesa (com tradução de Telma Costa): “Não conheço nenhum livro que melhor transmita o complexo destino de um europeu perante o fim da civilização europeia”. Sublinhemos, por isso, a especificidade de uma escrita que não se encaixa em nenhum modelo de “reconstituição”. Para além dos nomes e factos, gestos e lugares, o que Sebald coloca em cena poderá definir-se como a teia de transfigurações identitárias da própria história coletiva: cada indivíduo (o escritor, o narrador, as suas personagens…) que se entrega à tarefa de testemunhar/escrever essa história envolve-se numa vertigem em que todas as identidades se complementam, desenhando um “puzzle” sem fim. Por vezes, o “eu” de um parágrafo nasceu do “eu” da página anterior, proclamando uma diferença de visão e sensibilidade que, afinal, se diz também através de uma poética complementaridade existencial. No limite, tudo isso corresponde a um mapa cuja dimensão nem sempre conseguimos abarcar — por exemplo, na terceira história de “Os emigrantes”, intitulada “Ambros Adelwarth”, o tio Kasimir exprime, em inglês, o seu hábito de deambular por uma estreita faixa de areia junto ao mar: “I often come out here, (…), it makes me feel that I am a long way away, though I never quite know from where”. Essa dificuldade de medirmos o gigantismo de uma distância que pressentimos, mas cujo ponto de origem já não sabemos nomear, define a nitidez da mais depurada solidão humana. Provavelmente, somos sempre emigrantes dentro da história que vivemos e, ao viver, narramos.

João Lopes

livro “Os emigrantes”, de W. G. Sebald
Quetzal, 2013

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s