“Nebraska”, de Alexander Payne

alexander payne nebraska

Há uma espécie de fantasma audiovisual que perpassa na nossa visão deste filme. Que é como quem diz: algo nos leva a perguntar o que motivou Alexander Payne a rodar “Nebraska” a preto e branco? A pergunta tem, por certo, uma resposta cinéfila que envolve as memórias de um cinema pós-clássico — a que pertencem, por exemplo, “A última sessão” (1971), de Peter Bogdanovich, ou “Manhattan” (1979), de Woody Allen — empenhado em celebrar e revitalizar a frondosa herança da “idade de ouro” do preto e branco. Mas pode ser também uma pergunta que tende a sugerir algum formalismo que, em boa verdade, está muito distante dos desígnios de Payne. Acontece que a aventura amarga e doce do velho (Bruce Dern) que acredita que ganhou uma lotaria por correio nos toca como exemplo de um cinema que não abandonou as matrizes da psicologia clássica e, sobretudo, sabe manter-se fiel a uma atualidade tecida de muitos desencantos. Este é, afinal, o retrato de uma América interior que, na sua vulnerabilidade, parece continuar ligada a um imaginário a preto e branco. E, por mais que isso possa parecer estranho a um espetador (des)educado nas imagens “coloridas”, tal visão envolve uma atenção às pequenas convulsões do género humano que está para além de qualquer opção cromática.

João Lopes

27 fevereiro [estreia nacional]
filme “Nebraska” [“Nebraska”], de Alexander Payne, com Bruce Dern, Will Forte,…
Zon, 2013 / 2014

 

texto no Sound + Vision [ 1 ]

texto no Sound + Vision [ 2 ]

 

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s