“Paixão”, de Brian De Palma

brian de palma passion

A ilusão corrente de transparência obriga-nos a dizer que “Paixão”, de Brian De Palma, é um filme sobre duas mulheres – Rachel McAdams e Noomi Rapace – cuja aliança no interior de uma agência de publicidade se vai transformar num exercício metódico de sedução e traição… Satisfaremos, talvez, a nossa carência de objetividade, mas corremos o risco de passar ao lado das peculiares e muito sensuais intensidades de um objeto tão ambicioso quanto pode ser o gosto perverso do seu autor, revisitando os seus próprios temas e obsessões, desde a vertigem destruidora de “Carrie” (1976) até ao jogo de espelhos de “Femme fatale” (2002). Porque, em boa verdade, “Paixão” exacerba até ao delírio (não alheio ao mais refinado humor) o gosto de De Palma pela contaminação dos contrários. No seu cinema, à maneira de uma tela de Magritte, dir-se-ia que uma imagem existe como a ostentação da sua própria condição de máscara, a ponto de sermos levados a supor que, no momento de maior e mais declarado artifício, estamos também a tocar a pele do mais interdito corpo da verdade. Enfim, não menosprezemos o facto de De Palma situar este thriller romântico (hitchcockiano até à medula) no universo da publicidade. A abstração cubista dos seus filmes nunca foi estranha a uma espécie de sociologia cruel que observa, com contundência clínica, as ambivalências do seu/nosso presente, nascidas entre a origem do que se oferece e a imagem do que se vende, de alguma maneira ecoando o diálogo entre a nudez da entrega amorosa e a teatralidade do erotismo. No limite, tudo se passa como se olhássemos para McAdams e Rapace, não como personagens autónomas, antes como marionetas vivas de entidades que permanecem ausentes. Era um pouco isso que acontecia entre as duas atrizes (Carole Bouquet e Angela Molina) do filme final de Luis Buñuel que, aliás, ostentava um título que o próprio De Palma não desdenharia: “Este obscuro objeto do desejo” (1977). Enfim, noblesse oblige, torna-se imperioso referir que “Paixão” repete um outro título, neste caso de Jean-Luc Godard, rodado em 1982… Pormenor que, bem entendido, por aqui ninguém leva a mal.

João Lopes

11 julho [estreia nacional]
filme “Paixão” [“Passion”], de Brian De Palma, com Rachel McAdams, Noomi Rapace,…
Zon, 2012 / 2013

 

texto no Sound + Vision [ 1 ]

texto no Sound + Vision [ 2 ]

 

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s